fbpx

“Nova agroindústria nasce para apoiar produção galopante” in Diário de Notícias.

A expansão da produção de frutos secos criou a necessidade de fazer fábricas de descasque no Alentejo. A MIGDALO é disso um exemplo.

A galopante concentração de produtores de frutos secos no Alentejo regado por Alqueva criou a necessidade de uma agroindústria para a transformação das amêndoas e nozes. E os projetos já começaram a aparecer.
O primeiro exemplo foi dado pela Migdalo, SA, dedicada à produção, transformação e comercialização da amêndoa, que investiu numa fábrica de descasque de frutos de casca rija em Ferreira do Alentejo. “O projeto está a correr bastante bem e estou muito entusiasmado”, confessa o diretor-geral da Migdalo, Miguel Matos Chaves. E com razão, a unidade industrial foi concebida para uma capacidade de transformação de 500 a 600 toneladas de frutos/ano, um ano depois de ter iniciado o seu funcionamento já está a trabalhar a 40%, com a expectativa de atingir a sua capacidade máxima já nos próximos dois a três anos.
O grande objetivo da fábrica é transformar a produção própria, mas também prestar serviço a outros produtores no descasque. Estão igualmente vocacionados para tratar do escoamento da produção de outros agricultores.

Mais Notícias

As amendoeiras em flor dão que falar numa reportagem da RTP, que faz um panorama da amêndoa no Alentejo e aprofunda o tema nas instalações da Migdalo.
Constituída em 2015 e instalada no Parque das Empresas em Ferreira do Alentejo, a Migdalo quer ser um parceiro forte na fileira da amêndoa em Portugal.